sábado, 9 de maio de 2009

"Sou Mãe"

Uma mulher chamada Anne foi renovar a sua carteira de motorista. Pediram-lhe para informar qual era a sua profissão. Ela hesitou, sem saber bem como se classificar.

“O que eu pergunto é se tem um trabalho”, insistiu o funcionário.

“Claro que tenho um trabalho”, exclamou Anne. “Sou mãe.”

“Nós não consideramos ‘mãe’ um trabalho. ‘Dona de casa’ dá para isso”, disse o funcionário friamente.

Não voltei a lembrar-me desta história até o dia em que me encontrei em situação idêntica. A pessoa que me atendeu era obviamente uma funcionária de carreira, segura, eficiente, dona de um título sonante, do gênero ‘oficial inquiridor’.

“Qual é a sua ocupação?” perguntou. Não sei o que me fez dizer isto; as palavras simplesmente saltaram-me da boca para fora:

“Sou Pesquisadora Associada no Campo do Desenvolvimento Infantil e das Relações Humanas.”

A funcionária fez uma pausa, a caneta de tinta permanente a apontar para o ar, e olhou-me como quem diz que não ouviu bem. Eu repeti pausadamente, enfatizando as palavras mais significativas. Então reparei, maravilhada, como ela ia escrevendo, com tinta preta, no questionário oficial.

“Posso perguntar”, disse-me ela com novo interesse, “o que faz exatamente nesse campo?”

Calmamente, sem qualquer traço de agitação na voz, ouvi-me a responder:

“Tenho um programa permanente de pesquisa (qualquer mãe o tem), em laboratório e no terreno (normalmente eu teria dito dentro e fora de casa). Trabalho para os meus Mestres (toda a família), e já passei quatro provas(todas meninas). Claro que o trabalho é um dos mais exigentes da área das humanidades (alguma mulher discorda?) e freqüentemente trabalho 14 horas por dia (para não dizer 24…).”

Houve um crescente tom de respeito na voz da funcionária que acabou de preencher o formulário, se levantou, e pessoalmente me abriu a porta. Quando cheguei a casa, com o troféu da minha nova carreira erguido, fui cumprimentada pelas minhas assistentes de laboratório - de 13, 7 e 3 anos.

Do andar de cima, pude ouvir a minha nova modelo experimental (uma bebê de seis meses) do programa de desenvolvimento infantil, testando uma nova tonalidade da voz. Senti-me triunfante!

Tinha conseguido derrotar a burocracia!

E fiquei no registro do departamento oficial como alguém mais diferenciado e indispensável à humanidade do que “uma simples mãe”!

Maternidade… Que carreira gloriosa! Especialmente quando se tem um título na porta.

Assim deviam fazer as avós: “Associada Sênior de Pesquisa no Terreno para o Desenvolvimento Infantil e de Relações Humanas”. As bisavós: “Executiva-associada Sênior de Pesquisa”. Eu acho!!! E também acho que para as tias podia ser: “Assistentes associadas de Pesquisa”.

2 comentários:

Izabel Augusta disse...

Que texto delicioso!! simplesmente amei!!

Querida, passei especialmente para lhe desejar um excepcional Dia das Mães, cheio de amor e carinho dos seus filhotes! Curta muito seu importante cargo de Pesquisadora Associada no Campo do Desenvolvimento Infantil e das Relações Humanos, com certeza vc tem um currículo à altura para merecê-lo!!
Apareça, tenho saudades!!

Beijosssssssss

Iza

Titiça Neder disse...

Iza,

Obrigada lindona, vindo da mãe que é você me sinto muti especial mesmo!

Beijo